Tudo Bahia
Portal de Notícias

Suposta extensão do pagamento do auxílio emergencial é negada por Paulo Guedes

Sob orientação de assessores que trabalham em gabinetes do Palácio do Planalto, afiliados da ala política estão levantando rumores de o Congresso possivelmente prolongar o pagamento do auxílio emergencial até, no mínimo, março do ano que vem. Um interlocutor do Legislativo em declaração ao Radar Econômico disse “estão tentando plantar a semente”.

Na última sexta-feira (20/11), mensageiros do governo tentaram conversar com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM -RJ), sobre a possibilidade de estender o pagamento do benefício emergencial. Contudo, a proposta foi negada por Maia. Novas discussões a respeito do tema rondaram o Planalto na segunda-feira (23/11). De acordo com os assessores, o poder de veredito está com o líder do Poder Executivo, Jair Bolsonaro, e que a decisão deve ser tomada depois que acontecer o segundo turno das eleições municipais.

Todavia, o ministro da Economia, Paulo Guedes, não está incluído nessas tentativas de retomar as discussões sobre a hipótese. Segundo Guedes, não há motivo para considerar a extensão do pagamento do auxílio emergencial sem que haja uma severa “segunda onda” de infecções por COVID-19. Ele disse que as pessoas que estão sugerindo a pauta estão mal-intencionadas.

Segunda onda da pandemia

Na quinta-feira de 12 de novembro, em teleconferência da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), Paulo Guedes garantiu que “se houver segunda onda, não é possibilidade, é certeza (recriar o auxílio emergencial). Acredito que, se houver segunda onda da pandemia, o Brasil reagirá como da primeira vez. Vamos decretar estado de calamidade pública e vamos recriar (o auxílio emergencial)”.

Ainda no evento da Abras, o Ministro da Economia afirmou que caso os pagamentos do auxílio emergencial sejam retomados no ano que vem, estes serão em valores menores que os atuais R$ 300. Essa medida é para garantir que o benefício possa ser concedido por mais tempo.

“A nossa realidade, o nosso plano A para o auxílio emergencial, é acabar em 31 de dezembro e voltar para o Bolsa Família ou para o Renda Brasil. Com a pandemia descendo, o auxílio emergencial vai descendo junto. A renovação de auxílio não é nossa hipótese de trabalho, é contingência. Com uma segunda onda, de novo nós vamos reagir da mesma forma como reagimos”, declarou Guedes.

Impacto dos pagamentos do auxílio emergencial

Em videoconferência com investidores, o Paulo Guedes disse que o se as parcelas do auxílio emergencial tivessem sido no valor inicial proposto de R$ 200, a medida poderia ter sido sustentada por um ano.

Mas na aprovação do Congresso Nacional, o valor do benefício foi alterado para R$ 600, com a aprovação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O pagamento do auxílio emergencial previa apenas três parcelas, que foram prorrogadas. A última extensão foi feita em setembro, com valor reduzido pela metade.

Essa medida emergencial de enfrentamento da COVID-19 foi a mais cara aos cofres públicos. Contando todas as nove parcelas do pagamento do auxílio, o impacto fiscal do programa é em torno de R$ 322 bilhões.

LEIA TAMBÉM

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições. AceitarLer mais