Tudo Bahia
Portal de Notícias

Projeto de Lei pretende alterar condições para obtenção do Bolsa Família

Segundo os autores da proposta a intenção é melhorar o sistema para que as pessoas saiam das condições de vulnerabilidade

O Projeto de Lei (PL 2492/20), de autoria dos deputados Alê Silva (PSL-MG) e Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP), autodenominado ‘príncipe’, está em análise na Câmara dos Deputados. O objetivo do PL é acrescentar novas obrigações aos beneficiários do Bolsa Família: aceitação de ofertas de emprego por meio de programas públicos e participação em trabalhos comunitários.

Hoje em dia, a Lei 10.836/04 que rege o Bolsa Família prevê como condições para o recebimento do benefício: exame pré-natal para as gestantes; o acompanhamento nutricional e de saúde da família; e a frequência escolar mínima de 85% no caso das famílias com crianças.

O PL está em etapa de análise conclusiva, ainda aguardando o parecer das comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Seguridade Social e Família; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

De acordo com os autores do projeto de lei, “os programas de transferência de renda de natureza não contributiva, como o Bolsa Família, precisam ser pensados de forma mais eficiente”.

Os deputados do PSL, Luiz Philipe e Alê Silva, acreditam que com essas novas condições, as pessoas vão conseguir acesso a alternativas para sair da condição de vulnerabilidade. Assim como vai dar mais garantias de que aqueles que não necessitam realmente do benefício não consigam passar pelo sistema. Em resumo, a intenção do projeto de lei é tornar regras para concessão do programa social mais rígidas e reduzir sua importância de forma gradual.

Sobre o Projeto de Lei 2492/20

Veja abaixo a ementa do Projeto de Lei:

“Altera a Lei nº 10.836, de 9 de janeiro de 2004, para incluir entre as condicionalidades do Programa Bolsa Família o trabalho em serviços e projetos úteis para a comunidade ou município, bem como a aceitação de oferta de emprego por meio de programas públicos de colocação e recolocação profissional; e para limitar as dotações orçamentárias do programa ao valor de um por cento do Produto Interno Bruto (PIB)”.

A ideia do projeto é de que o programa de transferência de renda determine condições melhores para a autorização do acesso ao benefício e que também defina metas intermediárias, objetivos finais, público-alvo e prazos de término para o Bolsa Família.

Segundo o texto do PL, caso entre em vigor, se tornaria obrigatório a participação de ao menos um membro da família beneficiada em serviços e projetos úteis para a comunidade ou município em que moram. A pessoa deveria ter idade igual ou superior a 18 anos e ser apto a trabalhar. Os projetos deveriam contar com um mínimo de 8 horas e máxima de 16 horas semanais.

Do ponto de vista dos deputados Orleans e Alê, o Bolsa Família precisa passar por um processo de aperfeiçoamento e reestruturação. Sobretudo para conseguir desenvolver políticas voltadas para o desenvolvimento das famílias beneficiadas, com oferta de oportunidades de emprego e geração de renda, para que as pessoas deixem o cenário de vulnerabilidade social.

A pandemia fez o Bolsa Família ainda mais indispensável

Dentro do cenário da crise econômica vivida pelo país por conta da pandemia, o propósito do Projeto de Lei 2492/20 parece estar na contramão do contexto de falta de oportunidades no mercado de trabalho, com o aumento do desemprego. Por isso, estabelecer uma solução para depois do encerramento do auxílio emergencial é um dos principais assuntos econômicos debatidos no Brasil atualmente.

Ao longo da crise da COVID-19, os beneficiários do Bolsa Família tiveram acesso ao auxílio emergencial, durante cinco meses, nos valores de R$ 600. Depois desse período, o valor mudou para R$ 300. De acordo com o governo, manter o auxílio emergencial em 2021 não seria possível por ser muito caro aos cofres da União.

Por isso, o governo federal propôs a criação de novos programas, como o Renda Cidadã. Mas por não ser viável bancar as despesas desse projeto, o governo deve manter e, talvez, ampliar o Bolsa Família. Para que ele alcance mais famílias e diminua os impactos do encerramento do auxílio emergencial.

LEIA TAMBÉM

Bolsa Família será pago pelo Caixa Tem a partir de dezembro; veja como vai funcionar

A partir de dezembro de 2020, os inscritos no Bolsa Família vão passar a receber suas parcelas por meio de poupanças sociais digitais. As quantias, sem nenhuma tarifa adicional, poderão ser movimentadas pelo app Caixa…

Como usar FGTS para amortização de financiamento de habitação

O Fundo de Garantia do tempo de Serviço (FGTS) é um direito de todo o trabalhador. Com ele, o cidadão possui diversos benefícios, como usar seus recursos para comprar a casa própria. Por isso, confira como usar FGTS para…

Valor do Bolsa Família: como as parcelas são calculadas pelo governo federal?

Aprovado em 2004, o Bolsa Família é um programa assistencial para transferência de renda direta. As parcelas, com valor variável, são depositadas às unidades familiares em situação de extrema pobreza (renda por pessoa de…

INSS prolonga suspensão de prova de vida e retorno só ocorrerá em 2021

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) anunciou mudanças para aposentados e pensionistas. Segundo o comunicado, o INSS prolongou suspensão de prova de vida e retorno só ocorrerá em 2021.Portanto, todas as…

FGTS emergencial: R$ 7,9 bilhões não foram movimentados; veja prazo final para solicitar

O calendário para os saques do FGTS Emergencial, no valor máximo de R$ 1.045, foi executado a partir de junho de 2020 e terminou neste mês de novembro. Durante o período, a Caixa transferiu as quantias pelas poupanças…

Novo Bolsa Família: relator quer apresentar mais de uma opção ao Senado

O senador Márcio Bittar (MDB-AC) está elaborando uma proposta de emenda constitucional, com o objetivo de encontrar brechas para o financiamento do novo Bolsa Família. Conforme informações preliminares, o relator quer…

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições. AceitarLer mais