Tudo Bahia
Portal de Notícias

Em novo livro, Padre Marcelo Rossi relata sobre a dor sentida após empurrão

Faz pouco tempo que um dos “tele padres” mais famosos do Brasil, Marcelo Rossi, sofreu um “acidente” inédito. Ele foi empurrado do altar onde pregava por uma mulher, que conseguiu ter acesso ao palco de uma celebração católica na cidade de Cachoeira Paulista, São Paulo.

Em seu novo livro, intitulado “Batismo de Fogo”, o religioso resolveu rememorar o episódio sinistro e ainda tratar de outros assuntos delicados, tais como a depressão e o suicídio.

Leia também: Série “Quantico” está disponível na Globoplay

Perguntando pelo jornalista do site G1 por que decidiu lançar a obra em um momento tão crítico para o país, que está diante de uma pandemia, Rossi sabiamente respondeu:

Esse é um momento de reflexão para um resgate. Somos frágeis. É um novo nascimento para todos nós. A pandemia é o nosso batismo de fogo.

O incidente de Cachoeira Paulista

Antes de qualquer coisa, o livro tem o propósito de expor o pensamento do padre sobre a necessidade de busca por um novo nascimento humano. Esse renascimento, na concepção de Rossi, somente será possível se estivermos conectados com o Deus, pois é Ele quem nos dá forças.

A obra começa com uma abordagem sobre o episódio de agressão que o padre sofreu na celebração de julho de 2019 em Cachoeira Paulista. Marcelo Rossi estava no altar pregando para o seu público, quando uma mulher desconhecida invadiu o altar e o empurrou bruscamente.

O religioso foi socorrido pela equipe médica do evento e, com a fé ainda mais inabalável em Deus decidiu voltar para terminar a celebração.

Apesar dos seus 1,95m de estatura e do impacto da queda, não fraturou osso algum, nem se feriu seriamente, teve apenas leves escoriações.

À época, disse que não iria dar queixa da mulher, pois seu boletim de ocorrência seria bíblia e oração.

A rede Canção Nova chegou a registrar esse boletim por lesão corporal, mas segundo a polícia ela sofria de transtornos psiquiátricos.

“Dor tremenda” e plena consciência do que sofreu

Quando eu fui empurrado, eu não perdi a consciência. Essa não foi uma experiência de morte, mas foi uma dor tremenda. Eu passei dias com espasmos. Mas havia uma força dentro de mim que me dizia ‘Deus é maior’.

Marcelo Rossi.

Sobre a questão do suicídio, o padre diz: “a pandemia é um momento muito difícil e deixa mais evidente esse problema grave“.

E completa: “a falta de contato humano, o distanciamento vai agravar a depressão e levar pessoas a morte. Precisamos nos voltar para esse problema e ajudar as pessoas”.

O livro do Padre Marcelo Rossi foi lançado em setembro de 2020 pela editora Planeta e pode ser encontrado nas principais livrarias do país e, é claro, na internet.

LEIA TAMBÉM

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições. AceitarLer mais