Tudo Bahia
Portal de Notícias

Pacientes do coronavírus apresentam coagulação no sangue

Alguns pacientes do coronavírus tem apresentado coágulos sanguíneos, condição pode ser fatal.

Médicos observam as novas formas de manifestação da COVID-19 em pacientes e, a cada dia, aparecem casos mais severos da doença. Muitas pessoas estão apresentando coagulação sanguínea, condição que pode levar os pacientes do coronavírus à óbito.

Isso é possível se o coágulo vai para o cérebro, coração ou para os pulmões. “Você assiste à coagulação bem na sua frente”, comentou em entrevista à CNN, Hibbert, que é diretor da unidade de terapia intensiva do Hospital Geral de Massachusetts.

Por esse motivo, um consórcio internacional de especialistas se juntou para trocar experiências sobre os pacientes da COVID-19 que apresentavam coagulação no sangue. O resultado identificado foi que, nos quadros mais graves da doença, os pacientes tinham pré-disposição ao coágulo sanguíneo.

Além disso, um estudo holandês analisou 184 pacientes na UTI com pneumonia relacionada à COVID-19 e constatou que mais de 20% estavam com problemas de coagulação.

Pacientes do coronavírus e coágulo sanguíneo

Quando um paciente está na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) ele já apresenta boas condições para a formação de coágulos sanguíneos. A justificativa, de forma geral, é de que o paciente fica completamente imóvel por muito tempo.

Para os casos relacionados à COVID-19, existe a teoria de que próprio coronavírus seja responsável pela produção de coágulos, algo com precedentes em outras doenças virais, mas que pode ser fatal.

A partir da coagulação sanguínea, existe uma dificuldade de acesso aos pulmões pelo sangue, o que impossibilita que ele remova o gás carbônico do local e leve oxigênio aos demais órgãos. Além disso, se o coágulo for no cérebro, a vítima corre o risco de sofrer um AVC.

De acordo com o pesquisador de medicina cardiovascular Dr. Behnood Bikdel, do Centro Médico Irving da Universidade de Columbia, três teorias podem justificar o aumento dos casos:

 

  • A maioria dos pacientes, em casos graves, apresentam problemas médicos como diabetes, doenças cardíacas e pressão alta. Esses pacientes já possuem a tendência de coagular o sangue;
  • Pacientes recebem  “tempestade de citocinas” para combater o vírus no próprio corpo. E, com isso, apresentam maior risco de coagulação;
  • Pode haver algo sobre o novo coronavírus que está causando coágulos.

Como o problema vem sendo tratado?

Corrigir esse quadro é uma tarefa complicada para os profissionais de medicina.

De um lado, com doses baixas de anticoagulantes é possível prevenir a formação de coágulos, mas essa pode ser uma quantidade insuficiente para evitar a condição em alguns pacientes. Por outro lado, dar doses maiores pode fazer o paciente sangrar excessivamente, o que também pode ser fatal.

Com isso, enquanto não há um estudo conclusivo, é importante que os médicos estejam mais atentos aos seus pacientes de COVID-19.

LEIA TAMBÉM

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições. AceitarLer mais