Tudo Bahia
Portal de Notícias

Em novo teste rápido, COVID-19 e carga viral são detectadas pela saliva

Entre o processo de pesquisa e patenteamento, só existe um obstáculo: parceria com empresas para produção em larga escala. Entenda.

À medida que o tempo vai se estendendo, os estudos sobre a COVID-19 evoluem e proporcionam mais mecanismos de enfrentamento à pandemia. Uma novidade divulgada e patenteada pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), inclusive, está relacionada aos testes rápidos para detecção em tempo hábil da presença do vírus em pacientes.

O  teste para detecção do Sars-CoV-2 utiliza-se da coleta de saliva dos pacientes. De acordo com os dados de pesquisa divulgados pela UFSCar, a eficiência do teste é equivalente ao tradicional RT-PCR. Desse modo, torna-se de baixo custo e com eficácia para vários testes ao mesmo tempo. Outro dado positivo é que, além de detectar o vírus, o teste é capaz de pontuar a carga viral do paciente.

Esse teste utiliza-se de eletroquimioluminescente, que é uma emissão de luz a partir de reações eletroquímicas. Diante da reação patogênica, ou seja, de organismos que são capazes de causar doença em um hospedeiro, a luz sinaliza na cor vermelha.

A carga viral é indicada através da intensidade dessa luz, sendo, portanto, capaz de identificar se a carga é alta ou baixa. Caso a luz vermelha não seja acionada, o paciente tem a chance de não estar, de fato, infectado. Um detalhe importante é a eficiência de forma simples e descomplicada, podendo, por exemplo, ser acoplado a um aparelho celular e mostrar o resultado na tela.

Até 20 testes poderão ser analisados ao mesmo tempo, fazendo com que seja bem mais rápido e eficaz. Esse já é o terceiro teste desenvolvido e com patente registrada pelo Laboratório de Bioanalítica e Eletroanalítica (LaBiE) da UFSCar.

Entre o processo de pesquisa e patenteamento, só existe um obstáculo: parceria com empresas para produção em larga escala. O primeiro teste rápido desenvolvido é bem semelhante a esse último, porém ele atua na detecção sensível da proteína spike, em que o sensor eletroquímico faz a captação da molécula viral e apresenta o resultado.

O resultado, igualmente, pode ser adquirido através de um aparelho celular em questão de minutos. Os dois primeiros testes da UFSCar, ao que tudo indica, já estão em processo de negociação com empresas.

LEIA TAMBÉM

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições. AceitarLer mais