Tudo Bahia
Portal de Notícias

Itália registra menor número de mortes pelo coronavirus

O número de mortes pela COVID-19 e o de infectados diminuíram na última semana. O país também teve alto índice de recuperação de pacientes internados.

Neste domingo (19) a Itália registrou o menor número mortes pelo coronavírus das últimas semanas. Foram contabilizados 433 óbitos, totalizando 23.660 falecimentos no país por conta da COVID-19 desde o dia 12 de abril. A Agência de Defesa Civil divulgou os números de sexta-feira e sábado que foram, respectivamente, 575 e 482 mortes. Essa não é a mesma sorte de outros luares. Por exemplo, a quantidade de mortos pela doença na China subiu em 50%.

São 178.972 casos confirmados da doença desde o início da epidemia na Itália. Segundo a Proteção Civil italiana, houve também uma importante diminuição de pacientes hospitalizados. Desse total, 3.047 foram registados entre 18 e 19 de abril.

No mesmo final de semana, o país ainda teve recorde de recuperação nos hospitais. Foram curados 2.500 pacientes infectados pelo coronavírus e o número de internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) também diminuiu no último mês. “Em 3 de abril tínhamos 4.068 pacientes nas UTIs, hoje temos um pouco mais de 2.800. A pressão nos hospitais foi claramente aliviada”, afirma Franco Locatelli, presidente do Conselho Superior da Saúde da Itália.

A diminuição no número de mortes por coronavírus e dos casos, bem como a liberação dos leitos das UTIs tem gerado sentimento de esperança. Acredita-se que o país europeu esteja caminhando para o fim da fase mais mortal da doença e a curva esteja estabilizando. “Estamos nos preparando para reabrir em 4 de maio”, comentou Atilio Fontana, governador da Lombardia, a região da Itália com 12 mil mortos pela COVID-19.

O país já está em isolamento total há seis semanais e agora começa a vislumbrar a possibilidade de volta à vida normal. Contudo, liberação das atividades ainda está sendo debatida pelos membros do governo, pois as autoridades do sul temem ser uma atitude prematura.

LEIA TAMBÉM

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições. AceitarLer mais