Tudo Bahia
Portal de Notícias

“Dedos de Covid”: pesquisadores identificam causa dos sintomas; entenda

O estudo envolveu pelo menos 50 pessoas que apresentavam os sintomas do chamado “dedos de Covid”. Saiba mais.

Algumas pessoas que contraíram o vírus da COVID-19, principalmente jovens, apresentaram um sintoma peculiar que tornou-se objeto de estudos científicos. Os chamados “dedos de Covid” são inflamações nos dedos dos pés, mas que também ocorrem na região das mãos.

Os pesquisadores da Universidade de Paris e do Hospital Saint-Louis chegaram à conclusão de que esses sintomas podem ser uma reação do próprio sistema imunológico. A pesquisa, que foi publicada na revista científica British Journal of Dermatology, aponta que esses ferimentos surgem como uma espécie de efeito colateral do próprio organismo.

Um dos pontos curiosos da pesquisa é que, nas amostras de sangue colhidas, a maioria testou negativo para COVID-19. Isso indica que os pacientes que apresentaram os sintomas já estavam livres do vírus, mas obtiveram a reação na pele, que envolve os dedos, como uma sequela.

Muitos dos pacientes chegaram a ficar impossibilitados de caminhar por longas distâncias devido às protuberâncias elevadas e dolorosas. As amostras de sangue coletadas demonstraram que, pelo menos, duas partes do sistema imunológico atuam diretamente na defesa do corpo contra o vírus da COVID-19.

A proteína antiviral denominada de interferon foi encontrada em todas as amostras, além de outra que é um tipo de anticorpo que ataca, erroneamente, as próprias células e os tecidos das pessoas. O estudo envolveu pelo menos 50 pessoas que apresentavam os sintomas do chamado “dedos de Covid”.

Foram estudados, igualmente, outras 13 pessoas que apresentaram sintomas parecidos, mas que não possuíam relação com essa anormalidade diretamente. No caso dos pacientes que tiveram os sintomas por conta da reação dos anticorpos, esse problema pode durar uma semana ou até meses, mas tende a recuperar-se naturalmente.

A equipe de pesquisadores ainda chegou a conclusão de que, em alguns casos, dependendo da gravidade, existe a necessidade de tratamento através de cremes e outros medicamentos.

LEIA TAMBÉM

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições. AceitarLer mais